Colibacilose Aviária

Colibacilose Aviária

Definição: enfermidade sistêmica ou localizada causada pela Escherichia coli, incluindo septicemia, granuloma, aerossaculite, celulite aviária, peritonite, salpingite, osteomielite, sinovite e onfalite. Em mamíferos é mais freqüente como patógeno entérico, enquanto em aves é uma doença sistêmica secundária que ocorre em aves imunossuprimidas. É definida como uma enfermidade ambiental.

Etiologia

Escherichia coli

Características do Agente

Bactéria Gram negativa, não formadora de esporos e de fácil isolamento.
Cresce em Ágar McConkey e forma colônias rosas, fermenta lactose (produção de ácido e gás), indol positiva e oxidade e ácido sulfídrico negativos.
Antigenos: somático (O), capsular (K), flagelar (H) e fimbrial (P). Os mais freqüentes são O1, O2, O35 e O78.
Endotoxinas: LPS (lipopolissacarídeo)

Epidemiologia

Afeta galinhas, perus e patos. Principalmente animais jovens.
Enfermidade relacionada a ambiente, manejo deficientes e outras enfermidades as quais acarretam situações de estresse.

Patogenia

Imunossupressão é fator determinante, pois esta bactéria esta presente em animais sadios e existem cepas patogênicas e apatogênicas. As lesões da mucosa provocada por outros agentes infecciosos ou falhas de manejo causam soluções de continuidade para a infecção por E.coli patogênicas. O antígeno fimbrial (P) adere à bactéria da célula hospedeira enquanto o capsular (K) promove resistência ao Sistema Complemento.

Transmissão

Fontes de Infecção: cama, água, pó, ambiente contaminado com material fecal e roedores.
Direta ou Indireta: via oral (para pintos de 1 dia) ou respiratória (para aves mais velhas, acima de 3 semanas de vida).
Há possibilidade de transmissão via ovo (disseminação no incubatório).

Sinais Clínicos

Sistema Respiratório: sinais podem estar presentes ou não, geralmente em associação com agentes secundários (Ex.: Mycoplasma).
Onfalite: verifica-se abdômen dilatado, gema de cor escura, mortalidade embrionária e mortalidade até a 3ª semana.
Septicemia: verifica-se morte súbita.
Sistema Digestório: verifica-se enterite e é rara em aves e pode estar associado com infestações de Eimeria causando diarréia e produção excessiva de muco no intestino.
Sistema Reprodutor: verifica-se salpingite com produção de ovos e postura de pingüim.
Sistema Locomotor: verifica-se dificuldade de locomoção e edema de articulação causados por artrite, sinovite e osteomielite.
Sistema Visual: ave cega por panoftalmite, presença de pus e opacidade da córnea.

Lesões

Sistema Respiratório: verifica-se aerossaculite com o espessamento dos sacos aéreos e presença de material espumoso ou caseoso e pericardite.
Onfalite: infecção do saco da gema, gema com coloração escura e mortalidade.
Septicemia: verifica-se esplenomegalia, hepatomegalia, congestão muscular, pericardite, perihepatite e morte com presença de alimento no papo.
Sistema Digestório: verifica-se diarréia e presença de muco.
Sistema Reprodutor: verifica-se metrite e exsudato caseoso no lúmen.
Coligranuloma: raramente ocorre e verifica-se nódulos brancos no fígado, ceco, duodeno, mesentério e baço. São semelhantes a tumores de Marek e leucose.
Sistema Locomotor: verifica-se edema das articulações e presença de exsudato. Pode-se ter infecção secundaria por Reovirus, Mycoplasma e Staphilococcus.
Sistema Cardiovascular: verifica-se presença de material serofibrinoso amarelado na superfície do coração, fígado e pericárdio pelo desenvolvimento de uma pericardite e perihepatite.
Sistema Tegumentar: verifica-se celulite (processo inflamatório do tecido subcutâneo) com presença de placas caseosas amarelas. Causa condenação da carcaça.

Diagnóstico

Anamnese e História Clínica

Sinais Clínicos

Exames Complementares:
-Isolamento do agente: Agar McConkey
-Sorotipagem

Tratamento

Administração de antibióticos como: enrofloxacino, apramicina, gentamicina e espectinomicina.
Sempre realizar antibiograma prévio.

Prevenção e Controle

-Boas práticas de manejo;
-Evitar condições estressantes;
-Controle da ventilação;
-Uso de vazio sanitário adequado;
-Limpeza e desinfecção adequadas das instalações e no incubatório;
-Higienização dos ovos incubados;
-Evitar a aplicação simultânea de vacinas vivas contra doenças respiratórias.

Vacinação

São bacterinas autógenas e há falta de proteção cruzada entre os sorotipos.

Fonte: Veterinarian Docs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *